Artigos

Nigéria: a potência econômica da África com um mercado de 200 milhões de pessoas

A expansão do novo coronavírus está sendo assustador. O impacto no mercado de ações foi enorme, com o Dow Jones após atingir uma alta de US$ 29.551,42 em 12 de fevereiro, caindo acentuadamente para US$ 23.553,22 em 11 de março, uma queda maior que 20%. Os preços do petróleo também caíram, com os preços futuros do WTI dos EUA que estava nos US$ 51,65 em 12 de fevereiro caiu para US$ 33,25 em 13 de março, esta queda chegou a atingir abaixo de US$ 30.

Como as restrições à imigração têm aumentado em cada país, nossas viagens também estão muito limitadas em geral. Estamos repensando nossas viagens de negócios o máximo possível para evitar a passagem das fronteiras nacionais. Hong Kong, onde está localizado a QRC, respondeu rapidamente à prevenção de expansão com base nas lições da SARS, e todas as escolas foram fechadas logo em janeiro, além de bloquear os pontos de entrada da China, um após o outro. No início de fevereiro, desinfetantes foram colocados na entrada de cada prédio, e uma cobertura de vinil foi improvisado nos botões do elevador, juntamente com uma desinfecção frequente. Naquela época, o número de pessoas passeando pela cidade já havia caído significativamente, mas entre as poucas que estavam na rua, todas estavam de máscaras.

O governo e as empresas privadas estavam extremamente autoconscientes e restringiram a expansão do coronavírus em Hong Kong. As pessoas desapareceram das ruas em fevereiro mas logo voltaram ao trabalho em março já parecia tudo ter voltado ao cotidiano.

No entanto, o Aeroporto Internacional de Hong Kong, o oitavo maior aeroporto do mundo com 74 milhões de passageiros em 2018, continuava silencioso e muitos vôos haviam sido cancelados ou reduzidos.

Em tal situação, fui à Nigéria no início de março. Para participar das reuniões trimestrais dos projetos em que trabalho, e as pessoas com quem geralmente encontro também já carregavam desinfetantes e lavavam as mãos com frequência.

Embora a indústria de blockchain / criptomoeda africana tenha poucas oportunidades de serem relatadas no mundo em geral, seu potencial é enorme. A Nigéria somente foi a responsável por 6% do volume total de transações da BTC em 2017 e, de acordo com um estudo publicado pela Binance, a Nigéria foi classificada como o país de mais ter pesquisado “Bitcoin” no Google de 2011 a 2019 no ranking entre países. Embora a enorme população que se aproxima dos 200 milhões possa estar ajudando a avançar nessa busca, criptomoeda não deixa de ser sem dúvida uma das tendências do país.

Por outro lado, os reguladores financeiros (SECs e bancos centrais) alertaram contra os riscos relacionados a transação de BTC e ao uso potencial para lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e tráfico de pessoas. No momento, não existe uma estrutura legal para criptomoedas na Nigéria, mas os advogados locais são de opinião de que em breve ela estará em vigor.

Vários projetos locais já estão em andamento e um dos primeiros a entrar neste mercado da Nigéria foram as principais entidades. A Binance abriu um laboratório local da e contratou um diretor de desenvolvimento de negócios em janeiro de 2019 para investir e iniciar programas de incubação. A Binance começou a negociar as principais criptomoedas com a moeda local Naira em 4 de março deste ano.

Com relação à adaptação da tecnologia blockchain, devido ao interesse geral que já existia no país, o Dr. Isa Ali Pantami assumiu o cargo de secretário da Agência Nacional de Desenvolvimento de Tecnologia da Informação (NITDA) em setembro de 2016 e acelerou este processo.

Dr. Isa publicou o documento “Blockchain na Nigéria” no final de 2018, observando o desenvolvimento em várias áreas do país, as possibilidades que o blockchain trará e a vontade de acompanhar outros países, o líder do NITDA conduziu a discussão na elaboração de frentes para introdução de tecnologia etc.

Em julho de 2019, a união de trabalhadores rodoviário, em parceria com empresas de blockchain, iniciaram um projeto para implementar um sistema de identificação de passageiros baseado em blockchain. Na Nigéria, o transporte terrestre é o principal meio de transporte. Por outro lado, embora os acidentes de trânsito e os sequestros ocorrem com frequência, era difícil identificar os indivíduos envolvidos porque os passageiros não eram gerenciados adequadamente. Como resultado, houve casos em que as vítimas do acidente não foram tratadas adequadamente e, para melhorar essa situação, as empresas decidiram conduzir para a digitalização usando a tecnologia blockchain.

A Nigéria tem o maior PIB da África, ultrapassando a África do Sul, e tem uma população de quase 200 milhões, com média de 17,9 anos de idade e um grande potencial de crescimento. Projetos blockchain da Nigéria como o exchange da Binance e a Quanta – uma empresa de loteria que utiliza a tecnologia blockchain, que adquiriu uma empresa licenciada local no final de 2018 e está realizando sua loteria blockchain local – são bons exemplos para ver o potencial do mercado da Nigéria, e espero que outros casos de alto potencial deste país surjam em breve.

O Dr. Isa assumiu o cargo de Ministro das Comunicações e Economia Digital em setembro de 2019 e usará sua experiência para promover a economia digital na Nigéria. O jovem Sr. Kashifu Inuwa Abdullahi, nascido em 1980, sucedeu o Dr. Isa como Secretário do NITDA. Ele tem uma sensação européia e americana, por participar de cursos de administração e liderança em escolas de prestígio no exterior, como MIT, Harvard e Cambridge. Depois de atuar como arquiteto de tecnologia no Banco Central, ele implementou uma estratégia nacional de TIC no NITDA e, no segundo trimestre de 2018, as TIC contribuíram para o crescimento de 13% do PIB da Nigéria. Pessoas com carreiras semelhantes estão promovendo a digitalização, incluindo blockchain, e acho que esse será o cornerstone da criação de uma estrutura reguladora e da introdução da blockchain.

De fato, maneiras análogas ainda é o principal método em seus mercados domésticos e, ao ir para lá, você sentirá ainda mais o potencial deste mercado. Pois por outro lado, a previsão do amplo uso de smartphones exploda de 25 milhões em 2018 para cerca de 140 milhões em 2025, e há um futuro em que a indústria digital se espalhará rapidamente.

Shogo Ishida

é o CEO da QRC HK Ltd. em Hong Kong. Tem uma carreira extensa em ambos setores públicos e privados, incluindo missão diplomática, serviço legislativo para Ministério Exterior e Primeiro Ministro do Japão, e consultoria em Dubai. Desde 2017, ao mudar sua carreira para o setor Tech, Shogo utiliza sua experiência e conhecimento para coordenar, desenvolver negócios e marketing através da empresa de marketing de RegTech e FinTech a BPM, que foi fundada em Hong Kong. Em Janeiro de 2019, Shogo foi recebido como o CEO da QRC HK, a RegTech Capital com portfólio mundial.

Comentários

PUBLICIDADE