Artigos

Guia completo do bitcoin (Parte I )

Olá!

Irei escrever uma série de artigos sobre o bitcoin e sua rede blockchain. Ok, você já deve ta pensando: “mais um artigo pra falar as mesmas coisas que já existem desde 2009”. Bem, tudo que utilizo aqui já existe sim na internet, mas está espalhado pela internet e geralmente em inglês. Agora, quero escrever um guia e artigo completo, indo bem a fundo sobre bitcoin e blockchain em português, em um só lugar.

A ideia é pra quem não entende absolutamente nada, ter uma compreensão mais a fundo do tema e em um lugar agregado. E se você já conhece sobre o tema, tenho certeza que ainda vai aprender muita coisa legal por aqui. A maioria do material é uma tradução de artigos em outras línguas, mas você vai encontrar um agregado aqui e na ordem que lhe dá uma melhor compreensão.

Não vou definir datas para as publicações, porque às vezes eu não tenho muito tempo pra buscar informação de qualidade, pensar em como se encaixam, ordem, traduzir, etc, é trabalhoso. Mas vou deixar aqui um índice do que pensei escrever. Esse índice pode ser incrementado para dar mais qualidade, abrangência e profundidade no tema, então, se você acha que mais alguma coisa pode entrar no índice, escreva nos comentários.

Índice

  • O que é Bitcoin (parte 1)
  • História do bitcoin (parte 1)
  • Porque? (parte 1)
  • Conceitos Básicos (parte 1)
  • Onde é usado (parte 1)
  • O que é blockchain (parte 2)
  • Arquitetura blockchain (parte 3)
  • Nodes (parte 3)
  • Rede P2P (parte 3)
  • Criptografia Hash
  • Chaves publicas e privadas — Wallets
  • Transações
  • Contratos
  • Bloco
  • Merkle tree
  • Mineração
  • Consenso
  • Ledger imutável
  • (em construção. Envie sugestão nos comentários)

Agora vamos começar com o básico, sem entrar em parte técnica.

 

O que é bitcoin

Bitcoin é uma moeda digital descentralizada que permite pagamentos instantâneos a qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo. O Bitcoin usa a tecnologia P2P (ponto-a-ponto) para operar sem uma autoridade central. O gerenciamento de transações e a emissão de bitcoins são realizados coletivamente pela rede.

 

História do bitcoin (créditos)

Em agosto de 2008, o nome de domínio bitcoin.org foi discretamente registrado online. Dois meses depois, um artigo intitulado “Bitcoin: um sistema de dinheiro eletrônico peer-to-peer” foi passado em uma lista de discussão sobre criptografia.

O paper é a primeira instância da misteriosa figura, a aparição de Satoshi Nakamoto na web, e liga permanentemente o nome “Satoshi Nakamoto” à criptocorrência.

Satoshi Nakamoto, pseudônimo japonês, inicialmente representava uma pessoa anônima ou um grupo de pessoas que criou o protocolo original do bitcoin, em 2008. Além do próprio bitcoin, nenhuma outra referência à essa identidade foi encontrada.

Em 3 de janeiro de 2009, 30.000 linhas de código dá o início do Bitcoin. Bitcoin é executado através de um programa de software autônomo que é “extraído” por pessoas que procuram bitcoin em um sistema baseado em loteria. Ao longo dos próximos anos, um total de 21 milhões de moedas será lançado. 21 milhões é o valor máximo de bitcoin que existirá na rede, de acordo com o paper original. O software Bitcoin original de Satoshi Nakamoto foi lançado sob a licença MIT. A maioria dos softwares de clientes, derivados ou “do zero”, também usam o licenciamento de código aberto.

Bitcoin é a primeira implementação bem sucedida de uma criptografia distribuída , descrita em parte em 1998 por Wei Dai na lista de discussão cypherpunks. Com base na noção de que o dinheiro é qualquer objeto, ou qualquer tipo de registro, aceito como pagamento de bens e serviços e reembolso de dívidas em um determinado país ou contexto socioeconômico, Bitcoin é projetado em torno da ideia de usar criptografia para controlar a criação e transferência de dinheiro, em vez de depender das autoridades centrais.

 

Mas Satoshi Nakamoto não trabalhou inteiramente sozinho

Entre os primeiros entusiastas do Bitcoin estava Hal Finney, um desenvolvedor de jogos para consoles e um dos primeiros membros do “movimento cypherpunk”, que descobriu a proposta de Nakamoto para o Bitcoin através da lista de discussão sobre criptomoeda.

Em um post de 2013, Finney diz que ficou fascinado com a ideia de uma moeda online descentralizada. Quando Nakamoto anunciou o lançamento do software, Finney se ofereceu para minerar as primeiras moedas — 10 bitcoins originais do bloco 70, que Satoshi enviou como teste.

Finney negou categoricamente quaisquer alegações de que ele era o inventor do Bitcoin e sempre manteve seu envolvimento na moeda só era secundário.

Finney morreu em 2014 e deixou todos os seus bitcoins como herança para sua família em uma carteira offline.

 

Quase um ano depois, o Bitcoin estava lentamente a caminho de se tornar uma moeda viável

Em 2010, um punhado de comerciantes começou a aceitar o bitcoin em vez de moedas estabelecidas.

Um dos primeiros itens tangíveis já comprados com a criptomoeda foi uma pizza. Hoje, a quantidade de bitcoin usada para comprar essas pizzas é avaliada em aproximadamente US$ 100 milhões.

A criptomoeda também atraiu interesse das elites tecnológicas. Em 2012, Cameron e Tyler Winklevoss compraram US $ 10 milhões em bitcoin e, em menos de um ano, seu investimento mais que triplicou. Estima-se que os gêmeos Winklevoss possuam 1% de todos os bitcoins disponíveis.

 

Em poucos anos, a figura misteriosa conhecida como “Satoshi Nakamoto” desaparece da web.

Em 23 de abril de 2011, Nakamoto enviou ao desenvolvedor do Bitcoin Core, Mike Hearn, um breve e-mail.

“Eu mudei para outras coisas”, disse ele, referindo-se ao projeto Bitcoin. O futuro do Bitcoin, ele escreveu, estava “em boas mãos”.

Na sua esteira, Nakamoto deixou para trás uma vasta coleção de escritos, uma premissa sobre o funcionamento do Bitcoin e a criptografia mais influente já criada.

Durante os anos, várias pessoas tentaram se identificar como o criador do bitcoin Satoshi Nakamoto, mas na realidade, até hoje, não há uma certeza sobre quem é.

 

Veja como o verdadeiro “Satoshi Nakamoto” pode provar sua identidade

Ele poderia usar sua chave PGP

Uma chave PGP é um programa de criptografia exclusivo associado a um determinado nome de usuário — semelhante a uma assinatura online. Nakamoto poderia anexá-lo a um post ou mensagem indicando sua identidade.

Ele poderia mover seu bitcoin.

Nakamoto acumulou uma fortuna em bitcoin: ele acredita possuir mais de um milhão de moedas, que hoje seriam avaliadas em mais de um bilhão de dólares.

Teoricamente, Nakamoto poderia mover essas moedas para um endereço diferente.

 

Por que?

Bitcoin é um dinheiro eletrônico que é mais valioso sobre os sistemas legados por causa da autonomia monetária que ele traz aos seus usuários. Bitcoin procura resolver o problema raiz da moeda convencional: toda a confiança que é necessária para fazê-lo funcionar. Não que a confiança justificada seja uma coisa ruim, mas a confiança torna os sistemas frágeis e caros para operar. As falhas de confiança resultam em colapsos sistêmicos, a criação de confiança cria desigualdade e, naturalmente, os pontos de confiabilidade podem ser abusados para negar o acesso ao devido processo. Através do uso de comprovação criptográfica, redes descentralizadas e software de código aberto, o Bitcoin minimiza e substitui esses custos de confiança. Bitcoins tem todas as propriedades desejáveis de um bom dinheiro. Eles são portáteis, duráveis, divisíveis, reconhecíveis, fungíveis, escassos e difíceis de falsificar.

 

Transações de bitcoins são:

  • Sem permissão e sem fronteiras . O software pode ser instalado e utilizado por qualquer pessoa em todo o mundo.
  • Não requer nenhuma ID para usar. Tornando-o adequado para pessoas sem acesso a privacidade, computadores ou pessoas em áreas com infraestrutura financeira subdesenvolvida.
  • São resistentes à censura . Ninguém é capaz de bloquear ou congelar uma transação de qualquer quantia.
  • Irreversível uma vez liquidada, como dinheiro.
  • Rápido. As transações são transmitidas em segundos e podem se tornar irreversíveis dentro de uma hora.
  • Online e disponível 24 horas por dia, 365 dias por ano .

Armazenamento:

  • Não pode ser impresso ou degradado.
  • Existem apenas 21 milhões de bitcoins .
  • Não há custos de armazenamento . Não ocupam espaço físico, independentemente da quantidade.
  • São fáceis de proteger e esconder. Pode ser armazenado criptografado em um disco rígido ou backup em papel.
  • Estão em sua posse direta sem risco de contraparte. Se você mantiver a chave privadade um segredo de bitcoin e a transação tiver confirmaçõessuficientes , então ninguém pode levá-las de você, não importa o motivo, por mais que seja a desculpa, não importa o que, jamais poderão tira-la de você sem seu consentimento e aceitação.

 

Conceitos básicos

Moeda

A verdade é que não existem moedas parecidas com as que estamos acostumados, tudo são apenas registros em um banco de dados descentralizado. Mas vamos imaginar que Alice quer comprar as meias Alpaca que Bob tem à venda. Em troca, ela deve fornecer algo de igual valor para Bob. A maneira mais eficiente de fazer isso é usando um meio de troca que Bob aceita, o qual seria classificado como moeda. A moeda torna o comércio mais fácil, eliminando a necessidade de coincidência de desejos requeridos em outros sistemas de comércio, como trocas. A aceitação da moeda pode se global, nacional ou, em alguns casos, local ou baseado na comunidade.

 

Bancos

No modelo tradicional, Alice não precisa fornecer moeda para Bob pessoalmente. Ela pode, em vez disso, transferir esse valor confiando primeiramente sua moeda a um banco que promete armazenar e proteger o dinheiro de Alice. O banco dá a Alice uma promessa escrita (chamada de “extrato bancário”) que lhe dá direito a retirar o mesmo número de notas de moeda que ela depositou. Uma vez que o dinheiro ainda é da Alice, ela tem direito a fazer com o que quiser, e o banco, como a maioria dos bancos, por uma pequena taxa, fará para Alice o serviço de transferir o dinheiro da sua conta para a conta de Bob em seu nome. Isso é feito pelo banco de Alice, enviando o valor para o banco de Bob e informando-lhes que o dinheiro é para Bob, que verá o valor da próxima vez que ele verificar seu saldo ou receber seu extrato bancário.

Uma vez que os bancos têm muitos clientes e os funcionários do banco exigem dinheiro para fazer o trabalho de falar com pessoas e assinar documentos, os bancos nos últimos tempos têm usado máquinas como caixas eletrônicos e servidores web que trabalham em interagir com clientes em vez de funcionários pagos do banco . A tarefa dessas máquinas é aprender o que cada cliente quer fazer com seu dinheiro e, na medida em que é possível, atuar sobre o que o cliente deseja. Os clientes sempre sabem quanto dinheiro eles têm em suas contas, e eles estão confiantes de que os números que eles vêem em seus extratos bancários e em suas telas de computador refletem com precisão o número de dólares que eles podem obter do banco sob demanda.

Esse sistema possui várias desvantagens:

  • É caro. Transferencias na Europa podem custar 25 euros. As transações de crédito podem custar vários por cento da transação.
  • É lento. Verificação e serviços de fio de baixo custo demoram dias para serem concluídos.
  • Na maioria dos casos, não pode ser anônimo.
  • As contas podem ser congeladas, ou o seu saldo parcial ou totalmente confiscado.
  • Bancos e outros processadores de pagamento como PayPal, Visa e Mastercard podem se recusar a processar pagamentos para determinadas entidades legais, assim como o mastercard te recusado a efetuar transação para algumas corretoras de bitcoin.

O Bitcoin é um sistema de possuir e transferir voluntariamente os montantes dos chamados bitcoins , de forma semelhante a um sistema bancário online, mas sem depender de uma autoridade central para manter os saldos das contas. Todos os registros de aquisição e transferência das moedas são feitas pelos participantes da rede, que é descentralizada e distribuída. Se os bitcoins são valiosos, é porque eles são úteis e limitados no fornecimento.

 

Onde usar os bitcoins

Depois de uma onda inicial de interesse entre os comerciantes em aceitar o bitcoin em suas lojas de varejo ou online, os juros diminuíram à medida que as crescentes taxas de transação de bitcoin e os movimentos voláteis de preços tornaram-no menos atraente como meio de troca.

Isso não significa que não existam outlets para gastar seu bitcoin, no entanto, longe disso. É apenas que os volumes de bitcoin nessas lojas geralmente não atendem às expectativas, e quando você lê isso, alguns podem ter descontinuado essa opção.

No momento da escrita, no entanto, você ainda pode comprar uma ampla gama de bens e serviços com a criptomoeda. Entre as vantagens de fazê-lo estão a facilidade das transações internacionais e o anonimato (a menos que você queira uma entrega física, é claro). Ao aceitar o bitcoin, os comerciantes têm acesso a um mercado mais amplo e não precisam se preocupar tanto com estornos (onde os compradores cancelam o pagamento depois de receber o produto).

Se você quiser usar o bitcoin para comprar presentes, a solução mais óbvia são cartões de presente, via Gyft ou eGifter . O destinatário poderá então gastar o cartão presente em um dos vários varejistas.

Você pode pagar por voos e hotéis com bitcoin, através da Expedia , CheapAirSurf Air . Se suas ambições são mais elevadas, você pode pagar por viagens espaciais com algumas das suas vastas propriedades, através da Virgin Galactic .

A Microsoft aceita o bitcoin em suas lojas de aplicativos, onde você pode baixar filmes, jogos e serviços baseados em aplicativos.

Alguns músicos (Bjork, Imogen Heep) permitem que você baixe suas músicasem troca de criptomoedas.

Precisa fornecer sua casa ou comprar um presente especial para alguém? A Overstock foi um dos primeiros grandes varejistas a começar a aceitar o bitcoin , em 2014, e seu fundador — Patrick Byrne — ainda é um dos proponentes mais ativos da tecnologia.

Gosta de um pouco de ouro? Sharps Pixley , APMEX e JM Bullion tirarão bitcoin de suas mãos em troca de ouro.

E se você estiver com fome e morar nos EUA, a PizzaforCoins receberá uma pizza entregue na sua porta (dependendo de onde você mora) em troca de bitcoin.

Se é do conhecimento que você está com fome, várias universidades privadas e públicas , bem como algumas pré-escolas de Nova York, aceitam bitcoin.

Algumas empresas jurídicas e de contabilidade também aceitam pagamento por seus serviços na criptomoeda.

É claro, você sempre pode comprar alguma felicidade doando para uma das instituições beneficentes de bitcoin ou sites de crowdfunding, como BitHope , BitGive ou Fidelity Charitable .

Para obter uma lista de lojas off-line perto de você que aceitam bitcoin, verifique um agregador como SpendBitcoins ou CoinMap .

Nota: empresas específicas mencionadas aqui não são as únicas opções disponíveis, e não devem ser tomadas como uma recomendação.

Renan Pitz Alves

Com experiência em grandes empresas como Enel, Accenture, Red Hat e no exterior, Renan atualmente é Sysadmin e devops na PagSeguro. Especialista em blockchain, tem dedicado seu tempo livre para se aprofundar na arquitetura e entender como ela pode trazer benefícios para a sociedade. Co-fundador da Go Blockchain, está engajado como colaborador da plataforma.

Comentários

PUBLICIDADE

RECEBA NOVIDADES

Fique por dentro de todas as novidades, eventos, cursos, conteúdos exclusivos e muito mais.

Oferecimento:

Projeto mantido por:

Media Partners: